Na falta do que fazer, inventei a minha liberdade
   
 
 

  Histórico

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros sites
 Adoro Cinema
 Dicionário de Rimas
 Wikipédia
 Dicionário Português on-line
 Google
 Jornal de Poesia
 Jornal Bom Dia




 

 
 

 

As queimadas

 

Imagine-se no seu quarto, dormindo e, ao acordar, percebe que as quatro paredes que te cercam estão em chamas. Não há saída, a não ser pelo meio das línguas de fogo. Tente sentir o desespero que isso lhe causaria.

Bom, isto é o que acontece quando verdadeiros criminosos fazem a queima da caca. Sem se importar com os animais que morrerão encurralados e queimados, eles pensam apenas em economizar tempo e dinheiro. Claro, pois é bem mais cômodo: atear fogo ao invés de limpar o terreno.

Este sentimento que tento expressar com palavras, nem de perto se assemelha à grandeza do sofrimento destes animais. Criaturas que passam o dia caçando seu alimento e se defendendo de seus predadores naturais, acabam por morrer praticamente dormindo, pelo maior predador da face da Terra: o Homem.

A queimada de cana-de-açúcar é um ato abominável. Além dos pobres animais vítimas deste latrocínio, sofremos com a sujeira causada pela fuligem, diminui-se ainda mais a umidade do ar , além da poluição causada pela liberação de gás carbônico..

Este procedimento deve ser banido, proibido, e nunca regulamentado pelos órgãos competentes.

Àqueles incendiários que não se conscientizarem do mal produzido pela queima da cana, cadeia. E sem fiança, para que tenham tempo para pensar e repensar seus atos.

 

Gato feridos por queimada:

               



Escrito por Mário Castro às 15h09
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

 

ABSTRAIR-SE É NECESSÁRIO



Escrito por Mário Castro às 12h27
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Duvidar é preciso

 

A inspiração, seja ela de qualquer natureza, é algo que brota dos mais variados lugares: de um fato, um sentimento, uma imagem, uma palavra. Tudo pode servir de motivação.

 

Mas, para isto, é necessário buscá-la. Dentro de você ou em algo exterior, qualquer coisa pode servir para ativar o raciocínio e o poder de criação. Basta pensar.

 

A Filosofia, que agora está voltando a fazer parte da grade curricular do ensino fundamental, é uma matéria indispensável para ativar em nós a inquietude necessária para o questionamento, sem o qual nenhuma resposta seria possível.

Bem mais que uma aula de história, a Filosofia deve servir de elo entre todas as disciplinas da vida. Pois ela, em busca da verdade, cria um leque de opções, com base na argumentação do foco, verificando todas as vertentes possíveis.

 

Isto, pois, que para tudo na vida existe mais de um ponto de vista, cabendo a nós ponderar e escolher por qual face do prisma queremos enxergar.

 

Contudo, para podermos formar nossos alicerces sócio-culturais, bem como adquirir a clareza necessária para discernir sobre os temas que a vida nos propõe, necessitamos de conhecimento. Que podemos conseguir seguindo dois passos:

 

Leia! Seja lá o que for, mas leia! De preferência algo com conteúdo e de seu interesse, mas leia!                        

 

Pense! Seja lá no que for, mas pense! De preferência em algo que acrescente, mas pense!

 



Escrito por Mário Castro às 11h37
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Nos cafundós da mente

                  

 

Quero fugir

 

Fugir para onde eu me encontre. Para um lugar que me permita enxergar de cima do muro, vendo tudo com olhos imparciais. Mesmo sendo praticamente impossível não tender a posição alguma, diante de todos os vícios e crenças acumulados ao longo do tempo.

 

Fugir para onde eu me perca. Para um lugar que me permita viajar pelos meus pensamentos, divagando sobre os mais simples e singelos temas, bem como os mais obscuros e complexos. Isto sem o compromisso da solução, para ter maior liberdade em meus devaneios.

 

Fugir para onde eu me liberte. Para um lugar que me permita libertar-me das amarras da hipocrisia e da mediocridade, me deixando aquém da mesquinhez humana. Assim, poderia eu fantasiar o que seria do Mundo e da humanidade sem as pessoas portadoras de tais adjetivos.

 

Fugir para onde eu me aprisione. Para um lugar que me permita prender-me aos meus ideais e aos sentimentos mais puros e benevolentes, tais qual a compaixão, a gratidão e o bem comum.

 

Esse lugar existe e está dentro de cada um de nós. É um lugar onde podemos mergulhar, mesmo que por instantes, e percorrer as mais belas e intrigantes paisagens. Lugar sem culpa, sem medo, sem grades. Sem e com o que quisermos.

Esse lugar é a nossa mente, que por intermédio dos pensamentos faz com que tudo seja possível, inclusive o impossível. Lugar onde tudo pode acontecer, inclusive nada.

 



Escrito por Mário Castro às 15h41
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Faço questão de postar esse texto. O recebi por e-mail e o achei muito bom! Gostaria que, quem puder, leia. O autor se intitula "Sol da Glória".

 

Vejam:

 

 

Meu tributo à Vida 

 

Estou vivo, por isso, penduro bandeirolas para alegrar meu dia. Estou vivo, por isso, contrato um poeta para compor um hino. Soberanamente decreto que todo dia, de agora em diante, será feriado.

Estou vivo, por isso, organizo o maior de todos os banquetes;  e gastarei os próximos 365 dias com a festa do meu aniversário.

O que amo na vida? O imponderável; dançar na beira de abismos; tentar cruzar despenhadeiros em corda bamba; esperar o tiro de canhão na largada da maratona e não saber como vou terminá-la. Adoro desconhecer as notícias que o telefone trará quando se intrometer em meu sono. Como é fascinante sentir um medinho infundado antes de receber os exames do
laboratório. Já sinto frio na barriga só de pensar quando este medinho se transformar no Grande Pavor. Creio que lutarei com bravura quando precisar enfrentar a dama da foice que vai tentar  me seqüestrar em seu bornal, rumo ao improvável horizonte. Como é bom poder dizer que cada dia é suficiente em seu próprio mal, e não fugir de acordar a cada manhã, mesmo sabendo que poderei renascer das cinzas, como naufragar em meus problemas.

O que amo na vida? Gente. Gosto da diversidade humana, principalmente dos que me rodeiam. A íris dos olhos é mágica. Nela se escondem degradações que se acumularam em milênios de história. Personagens depravados preenchem páginas, capítulos, tomos inteiros, e são seus olhos que mais despertam interesse. Eles conheciam os segredos de Pandora e simpatizaram com a sordidez de Lúcifer. Todos, porém, participaram do teatro existencial; não fossem seus porões macabros, não haveria enredo para Shakespeare, Dante, Eça de Queiroz ou Machado de Assis. Para escrever, eu igualmente preciso deles. Mas, as pupilas também são poli cromáticas e delas emanam réstias da luz divina. Devemos aos bons à viabilização da existência. Como é
gostoso ler biografias e poder construir um panteão de princesas e príncipes. Desaprendo a vaidade e murcho meu ego depois de que caminho ao lado de gente como Priscila e Áquila, Policarpo, Francisco de Assis, João Wesley, Adoniran Judson, Mahatma Ghandi, Martin Luther King e Madre Tereza de Calcutá. Estes nunca se contentaram com as cercas altas ou com os
apertados  quintais onde nasceram. Quando me familiarizo com suas histórias, curvo-me diante de seus legados, e humildemente reconheço que nada sou,  nada fiz.

O que amo na vida? A singeleza das crianças que beijam roçando o nariz duas vezes; o ltruísmo de quem oferece a casa para uma prostituta de esquina; o empenho do enfermeiro que faz serão gratuito ao lado do moribundo; a resiliência da mulher que lava o marido com Alzheimer; a doçura da filha que empurra a cadeira de rodas de sua mãe enquanto passeiam pelo parque.

 

O que amo na vida? Sua beleza. Gosto de meditar, enquanto peixes coloridos bailam em câmara lenta pelos ribeiros; de ler, ouvindo o tamborilar preguiçoso da chuva fina; de pensar em Deus naquele momento breve em que a noite engole o sol e desaparece com o dia; de me sentir acorrentado na frente de um Van Gogh; de recitar Vinicius; de fechar os olhos, permitindo que Bach me possua por inteiro. Adoro textos pungentes. Sou melancólico como a bossa nova do Jobim. Sinto-me geneticamente ligado à nostalgia do fado português. Prefiro estradas bucólicas, aos jardins do impressionismo de Monet.


Estou vivo! Ainda hoje brindarei com um cálice de Merlot chileno; lerei Aluisio Azevedo; dormirei abraçado com a mulher de minha mocidade; mas, antes cochicharei para Deus: Obrigado!


Soli Deo Gloria
.

 



Escrito por Mário Castro às 15h22
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

ESSE PODE SER O MEU LEMA:

De forma atrapalhada,

mas não de forma que me atrapalhe.



Escrito por Mário Castro às 11h27
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

SERÁ!?

Já tivemos Presidentes com dedinho...

Já tivemos Presidente sem dedinho...

Mas não foram aquilo que esperavamos.

Será que um Presidente com 2 dedinhos resolveria?



Escrito por Mário Castro às 10h49
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Mulher da noite

 

Diante do obscuro a espinha gela

Carranca grotesca espelho do mal

No vale gelado o vulto dela

Arrepia alma espírito ancestral

 

Exu mulher em forma de gente

Calada da noite abrigo profano

Destila veneno perigosa serpente

Embriagues volátil cruel desengano

 

Tal qual a morte sorrateira

A espera árdua dor pungente

Armadilha necrótica em clareira

Desfalece esperança insana demente

 

Prazer sofrido ritual macabro

Deleite saboroso latrocínio cruel

Sabor de desejo a luz de candelabro

Coração jorra púrpuro coquetel

 

De êxtase morre decadente final

Desabafo do ventre gemido mudo

Contudo encerra-se momento apicial

Do gozo à morte do nada ao tudo



Escrito por Mário Castro às 13h33
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Transcendental

 

Tenho a idade de quem me pergunta

 

Para uma criança sou infantil

Para um adolescente sou púbere

Para um adulto sou maduro

Para um velho sou experiente

 

Por isto uma criança me vê como criança

Por isto um adolescente me vê como adolescente

Por isto um adulto me vê como adulto

Mas um velho me vê com sabedoria



Escrito por Mário Castro às 13h32
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Como o Amor nos confunde

 

Se fundo, se profundo,

Se raso, se superficial...

Como no real do sonho do mundo,

Vivemos imaginando o trivial.

 

Mal e Bem lado a lado,

Num cavalo alado voando,

No rolar trotando do dado.

 

A sorte lançada ao léu,

Sem véu nua no escuro,

De um sussurro se sente o fel,

Graças do céu apenas puro.

 

Contudo é sempre um fardo,

Inevitável dardo pontiagudo,

Absurdo cravado no bastardo.

 



Escrito por Mário Castro às 13h31
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Consultas e Exames nas UBS's

A população reclama, e com razão, da demora do agendamento de exames de média e alta complexidade e consultas com especialistas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Esta demora se dá pelo fato de haver uma demanda excessiva em relação às cotas destinadas as UBS's (Unidades Básicas de Saúde). Demanda essa que em alguns lugares é gerada pelo êxodo dos munícipes de outras localidades, ou até mesmo de moradores de outras cidades.

Mas, mais do que isto, esta demora é fruto de uma linha de conduta médica. Claro, pois cabe apenas ao médico a incumbência de dar tais pedidos de exames e guias de encaminhamento, mediante a um pré-diagnóstico - o que muitas vezes não acontece.

Estes pedidos são feitos muitas vezes por exigência do paciente - que só não se automedica por precisar de uma receita médica (que também é exigida especificamente ao médico) para pegar o remédio na farmácia da UBS - ou por falta de profissionalismo do médico. Sim, pois é muito mais fácil dar o pedido que o paciente quer ou pedir todos os exames possíveis para posterior diagnóstico, do que ouvir o paciente e investigar previamente para pedir apenas os exames cabíveis e pertinentes.

Mas, tudo isto descende de um aspecto cultural e de difícil mudança, já que nesse sistema capitalista e de princípios neoliberais em que vivemos até a Saúde Pública é alvo da “clientelização”, onde pessoas deixam de ser pacientes e passam a ser clientes.

Fica aqui a sugestão a todos os usuários do Sistema Único de Saúde rio-pretense: deixem que o médico requisite seu exame ou o encaminhe ao invés de lhe fazer tal pedido. E aos médicos, um pouco mais de comprometimento e integração à realidade vivida pela Saúde de nossa cidade.

Assim, quem sabe, juntos poderemos minimizar o tempo de sofrimento de nossos cidadãos que buscam, mais do que saúde, o bem estar.



Escrito por Mário Castro às 13h30
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Amável Luar

 

 

Lá sob as estrelas o sereno umedece a gente

Uma lua ilumina toda escuridão inocente

Atraindo silêncio quebrado pela mente

Razão e devaneio jaz ambivalente

 

Lúgubre satélite que os presencia

Um amor, a morte, trabalho, a boemia

Amar em plenilúnio é amar em demasia

Revela aos amantes quão grande sua magia



Escrito por Mário Castro às 13h29
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Elis Regina

 

No silêncio da noite, vejo as estrelas e lembro você.

No meio do dia, olhando as flores vejo seu sorriso.

No tudo que faço ou vejo há sempre melodias.

No silêncio da noite ou no meio do dia vou sempre a cantar.

Mas quando ouço sua voz...

Eu me calo!

 



Escrito por Mário Castro às 13h23
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

Ano eleitoral é sempre igual

 

A cada ano eleitoral, intensifica-se a troca de “carinhos” entre candidatos de coalizões diferentes. Não que em outras épocas as farpas não existam, mas...

Estamos cansados de ofensas, denuncias sem base que sempre levam a nada, que invadem muitas vezes a intimidade do indivíduo. O objetivo é óbvio: o desgaste da imagem, ou melhor, do conceito de tal pessoa ou partido.

Os candidatos e seus partidos deveriam se empenhar mais em mostrar o caminho da melhora, através de idéias e estratégias lucidadas em seus planos de governo.

È claro que uma análise do que foi ou não feito por antecessores é necessária, pois só assim se pode corrigir o errado e aperfeiçoar o correto.

Portanto, quando voltar à tona a reforma política, deve-se pensar em maneiras de coibir a retórica ofensivo-agressiva, de baixo cunho, que nada acrescenta aos eleitores. Vamos acabar com a politicagem e fazer política, que deve ser vista coma a ciência moral normativa do governo da sociedade civíl.



Escrito por Mário Castro às 13h22
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

O Transporte Brasileiro

                     

 

VEJA O MAPA EM TAMANHO ORIGINAL NO LINK:

http://www.revista.akademie-brasil-europa.org/Corres-Bilder2/BildCorres06-Mapa.jpg

 

É sabido e notório o enorme potencial brasileiro, para o transporte de mercadorias em grande escala, através da malha ferroviária e hidroviária. Digo potencial pois são pouco utilizadas se comparadas ao grande fluxo terrestre.

Historicamente, deixou-se de lado o investimento nesses setores por haver, desde a consolidação das grandes empresas automobilísticas - e até hoje com as empresas de pneus, concessionárias de rodovias – uma enorme gama de interesses envolvidos que tornam truculento o processo evolutivo de utilização de tais meios de transporte.

Tanto que, por exemplo, praticamente extinguiu-se o transporte de passageiros em viagens ferroviárias, para poder dar lugar a um maior escoamento de mercadorias sem a necessidade de grandes investimentos em aumento das linhas férreas.

 

A pouco, O governador Cláudio Lembro e o presidente da Única (União da Agroindústria Canavieira de São Paulo), Eduardo Pereira de Carvalho, assinaram protocolo de intenção para a execução de um estudo sobre a logística de escoamento da produção sucroalcooleira paulista. A principal idéia é a implantação de dutos que levariam o álcool até o porto de Santos para ser exportado, bem como a utilização da hidrovia e ferrovia para outros fins. Também deve ser estudada a viabilidade para o transporte de açúcar a granel sólido por vias férreas e fluviais.

Se levado via dutos, o álcool economizará U$16 por metro cúbico transportado.

Por isto, o assunto deve ser bastante discutido e servir de base para que outros segmentos estudem a viabilização do escoamento de seus produtos por meios mais econômicos, menos poluidores e que gere no país uma tendência de desafogamento das rodovias, políticas ecologicamente mais corretas e que fomentem o investimento infra-estrutural.



Escrito por Mário Castro às 13h21
[] [envie esta mensagem
] []


 

 

De caso pensado

                    

 

Como todos já sabemos, a cúpula do PT traçou e pôs em pratica um grande esquema para se estabelecer no poder. Desde o começo do mandato do Presidente Lula o objetivo era este. Daí o mensalão e tantos outros artifícios que vêm sendo revelados.

Agora, o que mais colaborou para que nosso Presidente tivesse todas as intenções de voto que tem, foi beneficiar os dois extremos da população: os mais ricos e os mais pobres.

Através de programas assistencialistas, ou melhor, de distribuição de dinheiro, o governo atingiu a grande massa – os mais leigos e necessitados, mas acima de tudo eleitores – e, também, os que vêem isto com bons olhos.

O outro extremo nunca esteve tão feliz, por isso os bancos estão batendo recorde atrás de recorde de lucratividade.

De um lado o poder do voto e de outro o poder econômico, uma combinação que poderia dar muito certo se não fosse o fato de vir à tona toda essa sujeira.

Através de uma mídia investigativa e persistente, a população tende a cada vez mais conhecer a realidade e - se Deus quiser - se conscientizar da situação.

Eu, como bom psciniano, ao invés desse esquema ilícito, no dia de minha posse diria a toda nação: “Estou assumindo o Governo com intuito de mudança e melhora. Mas, pra isso, preciso de mais de um mandato: um para  consolidar a soberania do Estado e seus órgãos dentro e fora do país, – estando eles figurados à sua própria imagem e não a de seus representantes – além de planejar estrategicamente os passos da mudança para, no final deste período fazer as revoluções necessárias; o segundo serviria para adaptar e corrigir tudo o que necessário para um sólido e expressivo crescimento sustentável.”

Claro que isso para grandes e difíceis reformas, sem deixar a locomotiva pública parar.

Enfim, de boas intenções o inferno está cheio. Se o objetivo era nobre não importa, nesse caso os fins não justificam os meios. Por isto os resultados das pesquisas

Escrito por Mário Castro às 13h20
[] [envie esta mensagem
] []


 

 
[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]